Guia de Episódios Prólogo Primeiro Ato Segundo Ato Terceiro Ato Quarto Ato

Produção #V806 - Episódio 06
 


ESCRITO POR
Susanne Beck


DIRIGIDO POR
Denise Byrd


PRODUZIDO POR
C
arol Stephens

IMAGENS DAS CENAS
Judi Mair


TRABALHO ARTÍSTICO
Lucia


GRÁFICO DO TÍTULO DO EPISÓDIO
Linda (Calli)

TRADUZIDO POR
C
hris Burle


 

PRÓLOGO

 

FADE IN:

 

CENA EXT. - ACAMPAMENTO - FINAL DA NOITE

 

GABRIELLE está sentada à margem do círculo da fogueira. Uma misturada de pergaminhos semi-escritos a circunda. É a primeira vez em tempos que ela teve uma noite relativamente livre para sentar e registrar suas muitas aventuras do ano que passou. Ela rabisca algumas linhas em um, o coloca cuidadosamente no chão, pega outro e outro, repetindo o processo em uma espécie de círculo sem fim.

 

Abaixando sua espada e sua pedra de amolar no chão, XENA boceja e se espreguiça. Girando o pescoço de um lado para o outro, ela geme quando os ossos estalam, realinhando  sua coluna. Então ela gira os ombros, balançando os braços, punhos e dedos, e ouvindo o estalido crepitar de suas juntas.

 

Aos sons, Gabrielle ergue o olhar dos pergaminhos para a sua parceira, com um sorriso afetado.

 

XENA

Desculpa.

 

GABRIELLE

Pelo quê? Foi um longo dia.

 

XENA

(amuada)

Hunf. Eu costumava comer esses

longos dias no meu café-da-manhã.

 

 

Colocando seu pergaminho no colo, Gabrielle gira os olhos.

 

GABRIELLE

Xena...

 

XENA

É verdade, Gabrielle. Janos

reconheceu isso. Eu estou ficando velha.

 

GABRIELLE

Xena, você não está ficando velha!

 

XENA

Claro que estou! Olha! Veja isto!

 

Xena curva a cabeça, correndo os dedos pelo cabelo.

 

GABRIELLE

O que?

 

XENA

Isto!! Olha!!!

 

GABRIELLE

Daqui de onde eu vejo, Xena,

isso é chamado de ‘cabelo’.

 

Xena levanta a cabeça, lançando um olhar para Gabrielle.

 

GABRIELLE

(continua)

Nós não vamos discutir isso de novo,

Xena. Da última vez, não havia cabelos

brancos em lugar algum dessa sua

cabeça. Eles não se atreveriam!

 

Os olhos de Xena se inflamam.

 

XENA

Não? O que é isto aqui então, hein?

 

Ela ergue uns fios de cabelo claros.

 

Estreitando os olhos, Gabrielle se estica e tira o cabelo dos dedos de Xena.

 

GABRIELLE

Isso é meu, muito obrigada.

E não é branco. Apenas um

louro muito, mas muito claro.

 

 

Xena bufa.

 

Gabrielle suspira.

 

GABRIELLE

(continua)

Xena, você não está ficando velha, está bem?

Você apenas precisa de um tempo para relaxar.

Nós passamos por muita coisa neste último ano.

 

XENA

Humnf.

 

GABRIELLE

Está bem. Ótimo. Você pediu por isso.

 

Inclinando-se para trás, ela alcança o primeiro de muitos pergaminhos que a circundam.

 

GABRIELLE

(continua)

Eu canto uma canção sobre Xena, uma JOVEM

Princesa Guerreira que, no ano que passou, já:

morreu... de novo, foi ao Inferno... de novo,

voltou à vida... de novo...

 

 

Gabrielle pega outro pergaminho.

 

GABRIELLE

(continua)

…ajudou a resgatar um vilarejo de

de um deus voraz… de novo...

 

XENA

Gabrielle...

 

Gabrielle alegremente pega outro pergaminho.

 

GABRIELLE

…me tirou de um feitiço estúpido

feito por Afrodite... de novo...

 

Gabrielle pega ainda outro pergaminho.

 

GABRIELLE

(continua)

…salvou a Grécia de uma praga —

hum, essa foi a primeira vez, terei que

fazer uma anotação sobre esta aqui...

 

XENA

(um pouco mais alto)

Gabrielle...

 

 

Gabrielle pega outro pergaminho.

 

GABRIELLE

…me ajudou a prevenir uma guerra... de novo...

 

Gabrielle pega ainda outro pergaminho.

 

GABRIELLE

(continua)

…foi dividida em duas… de novo...

 

XENA

GABRIELLE!!!

 

GABRIELLE

…me ajudou a reunir duas… mmf!

 

Xena se puxa de volta do beijo que ela acabou de lhe dar, sorrindo largamente.

 

XENA

Às vezes, esse é o único

jeito de lhe fazer calar.

 

GABRIELLE

(delirando)

Lembre-me de continuar

falando mais tarde, ok?

 

Xena ri suavemente.

 

XENA

Gabrielle?

 

GABRIELLE

Hum?

 

XENA

Eu sei o que você está

tentando fazer, e... Obrigada.

 

GABRIELLE

(aprumada)

Eu estou apenas falando a verdade.

 

Sorrindo, ela lhe dá um tapinha no colo. Xena olha para ela interrogativamente.

 

GABRIELLE

(continua)

Ora, vamos. Mesmo as Princesas

Guerreiras precisam descansar.

 

 

Depois de um momento, Xena desiste e se ajeita entre as peles, com a cabeça usando o colo de Gabrielle como travesseiro. Gabrielle suavemente acaricia o cabelo de Xena, observando enquanto as pálpebras de sua parceira ficam pesadas e finalmente desistem da luta.

 

Sorrindo ternamente, ela pende a cabeça para trás e olha para o céu. As primeiras estrelas espreitam através do firmamento.

 

GABRIELLE

(continua, suavemente)

Luz da estrela, brilho da estrela, primeira estrela

que eu vejo esta noite. Eu desejo poder, eu desejo

conseguir, realizar o desejo que desejo esta noite.

 

 

CORTA PARA:

 

CENA INT. - REINO OLIMPIANO DE AFRODITE

 

Uma música alta e dançante de discoteca está tocando enquanto Afrodite e várias de suas mais íntimas e sensuais companhias estão celebrando outra noite no Olimpo. Por todo o lugar, pessoas estão dançando, bebendo, e festejando. A própria Afrodite está se esticando em um grande divã rosa, com vários homens incrivelmente bonitos, em um completo sanduíche de Deusa do Amor

 

De repente, o aposento parece escurecer, e ela olha para cima a tempo de ver uma de suas estrelas da noite caindo.

 

Suspirando, ela se senta e abre caminho com os cotovelos entre os seus musculosos e oleosos companheiros.

 

AFRODITE

Tudo bem, tudo bem, quem golpeou uma

das minhas favoritas para fora daqui?

 

A multidão se afasta de um particularmente sensual companheiro que está usando uma venda nos olhos e segurando um bastão. Ele tira a venda e olha para Afrodite.

 

HOMEM

Oops!

 

Afrodite gira os olhos.

 

AFRODITE

Só podia!! Isso não é uma piñata,

seu idiota! Isso é... Ah, esqueça.

 

Ela encolhe os ombros.

 

AFRODITE

(continua)

Oh, bem, eu espero que

ninguém tenha desejado nela.

 

Rindo, ela se inclina de novo no sofá e estende os braços.

 

AFRODITE

(continua)

Agora, onde estávamos?

 

 

FADE OUT.

 

FIM DO PRÓLOGO

 

PRIMEIRO ATO