Guia de Episódios Prólogo Primeiro Ato Segundo Ato Terceiro Ato Quarto Ato

Produção #V807 - Episódio 07
 


ESCRITO POR
TNovan


DIRIGIDO POR
Denise Byrd


PRODUZIDO POR
C
arol Stephens

IMAGENS DAS CENAS
Judi Mair


TRABALHO ARTÍSTICO
Lucia


GRÁFICO DO TÍTULO DO EPISÓDIO
MaryD

TRADUZIDO DO INGLÊS POR
C
hris Burle


 

PRÓLOGO

 

FADE IN:

 

CENA INT. CLUBE NOTURNO - NOITE

 

XENA e GABRIELLE estão trabalhando em um bar desgastado. Xena está servindo as mesas e Gabrielle está parada atrás do bar. Ela não está nada feliz de ter que observar Xena desviar dos avanços dos fregueses bêbados. Gabrielle está secando um copo e se fosse possível ela já teria aberto buracos de tanto esfregar o vidro.

 

No salão, Xena está segurando uma bandeja e tentando ser gentil com o homem que está sendo muito persistente. Ela sorri e retira a mão dele de detrás de si uma última vez antes de sair dali.

 

Gabrielle bate com o copo no balcão do bar e depois atira a toalha em cima dele enquanto Xena se aproxima.

 

GABRIELLE

Eu vou matá-lo.

 

 

XENA

Relaxe. Não é nada com o que eu não consiga

lidar. Além disso, ele está bêbado demais para

nos representar algum perigo. E, se eu sorrir bem

gentilmente, vou conseguir uma bela gorjeta dele.

 

GABRIELLE

Ele é que vai conseguir uma bela surra de mim.

 

XENA

(dando risada)

É, eu posso imaginar

como seria isso também.

 

Ela se inclina contra o bar e sussurra:

 

XENA

(continua)

Eu lhe garanto, ele é inofensivo.

Mas é uma gracinha você com ciúmes.

 

GABRIELLE

Eu não estou com ciúmes!

 

XENA

(sorrindo)

Está e é também.

 

Gabrielle estreita os olhos e resmunga.

 

GABRIELLE

Eu não sou ciumenta. Eu só não

acho que você deva agüentar

esse tipo de baixaria.

 

Xena pestaneja.

 

XENA

Apenas me dê duas cervejas

e um rum e uma coca-cola.

 

Gabrielle olha além de Xena para a mesa, seus olhos dardejam de volta para Xena e ela apanha duas garrafas do refrigerador e as bate em cima do balcão do bar.

 

XENA

Obrigada.

 

CORTA PARA:

 

CENA INT. CLUBE NOTURNO - NOITE

 

O bar ficou mais lotado e o temperamento de Gabrielle ficou mais curto. Ela está observando Xena desviar dos avanços de todas as mais próximas direções possíveis. Ela está se contorcendo toda, caminhando de um lado pro outro atrás do bar enquanto mistura e serve as bebidas, as suas mãos estão tremendo e seus lábios estão fortemente cerrados. Ela sequer percebe que Xena se aproximou do bar.

 

XENA

Vodca e tônica.

 

GABRIELLE

Que tal dar a ele uma

batida de Amphipolis?

 

XENA

O que é isso?

 

GABRIELLE

Isso é você ir até lá e botá-lo pra

correr. Se ele conseguir outro tato

desse, ele vai ganhar um buraco

no traseiro de suas calças.

 

XENA

Ora vamos, Gabrielle. Só mais um par

de horas e nós estaremos fora daqui.

 

 

GABRIELLE

Certo. Mas...

 

Antes que ela possa terminar, uma luta irrompe atrás delas e um dos homens está se arremessando direto para Xena.

 

GABRIELLE

Xena! Cuidado!

 

Xena se vira e lança um cruzado de direita no homem, derrubando-o como uma pedra. Gabrielle sobe no balcão do bar para dar uma mão a ela e ou pararem ou vencerem a luta. A luta entra em erupção como um vulcão que esteve adormecido em fervura lenta por 3000 anos.

 

Xena agarra o sujeito mais próximo e o soca diretamente no rosto. Gabrielle bloqueia um soco com a bandeja de Xena enquanto TODOS no lugar se inserem na briga. Xena agarra Gabrielle em volta da cintura e a puxa para fora do caminho enquanto atira outro soco em um homem que estava quase para pegar Gabrielle.

 

GABRIELLE

Obrigada.

 

XENA

Vamos sair daqui.

 

Elas empurram um caminho através da multidão e se dirigem para a porta da frente. Vidros se quebram em volta delas e o som de cadeiras partindo lhes faz desviar e fugir. Correndo para a porta elas dão de cara com o dono do lugar, que é um HOMEM MUITO LARGO, com os braços cruzados sobre o peito.

 

DONO

Eu realmente preciso dizer isso?

 

GABRIELLE

Que estamos despedidas?

 

 

DONO

Eu sempre soube que você

era o cérebro dessa equipe.

 

Xena grunhe para ele.

 

 

DONO

Agora saiam daqui, antes

que eu chame os tiras.

 

GABRIELLE

Mas nós não fizemos nada...

 

DONO

Estou falando sério, loirinha.

(pausa)

Pegue você e sua valentona...

 

Xena irrompe para a frente, grunhindo mais alto ainda agora. Gabrielle a agarra pelo braço.

 

GABRIELLE

Estamos indo, estamos indo! Vamos, Xena.

 

CORTA PARA:

 

CENA EXT. MOTEL (HOTEL DE BEIRA DE ESTRADA) - NOITE

 

Xena e Gabrielle caminham pelo andar superior de um deteriorado hotel de beira de estrada. Diante do quarto delas, Xena tem que dar sacudidas na maçaneta para tentar abrir a porta. Ela está ficando mais frustrada e murmura algo sobre chutar a porta quando Gabrielle toma a chave da mão dela.

 

GABRIELLE

Deixa eu.

 

Ela vira a maçaneta e então atira seu ombro contra a porta forçando-a a abrir.

 

CORTA PARA:

 

CENA INT. QUARTO DE HOTEL - NOITE

 

Xena se deita imediatamente na cama e Gabrielle agarra uma fita e a coloca em um vídeo-cassete, ligando a TV enquanto o faz.

 

XENA

Não, por favor. POR FAVOR não me faça

assistir essa maldita série novamente.

 

 

Gabrielle suspira e desliga o vídeo-cassete, mas deixa a TV ligada e sintoniza as notícias. Então ela se junta a Xena na cama, massageando os ombros tensos de sua parceira.

 

GABRIELLE

Você sabe que quando a assistimos, isso

nos ajuda a recuperar nossas lembranças.

 

XENA

Elas não são as 'nossas' lembranças, Gabrielle.

NÓS somos um experimento científico. A Xena e a

Gabrielle originais morreram há 3000 anos atrás.

 

GABRIELLE

Isso não foi legal.

 

Xena suspira e assente.

 

XENA

Sinto muito. Sinto muito por tudo.

Talvez eu possa voltar lá amanhã e

conseguir nossos empregos de volta.

 

GABRIELLE

Se você voltar lá, você vai terminar na

prisão. Não se preocupe com isso. Nós iremos

imaginar alguma outra coisa. Eu admito que não vai

ser fácil. Nós precisamos encontrar um emprego

que não requeira qualquer documentação.

 

 

XENA

Este é um mundo muito diferente.

 

GABRIELLE

Sim, é. Mas este é o nosso mundo e

nós temos que fazer o melhor dele.

 

XENA

Seria mais fácil se tivéssemos certidões

de nascimento, carteiras de motoristas e...

como eles chamam aquela outra coisa?

 

GABRIELLE

Um número do seguro social.*

                                                                                      * o nosso INSS (N.T.)

 

XENA

, eu não entendo isso. Por que você iria

precisar de um número para ser social ou segura?

 

GABRIELLE

Eu também não vou fingir que entendo

isso. Porém, o fato continua sendo de

que estamos quase sem dinheiro, não

temos emprego, e o aluguel deste

lugar vai vencer na sexta-feira.

 

XENA

Eles deveriam nos pagar para ficar aqui.

Se as lembranças de Xena e Gabrielle

estão certas, elas ficavam em lugares

melhores que este na Grécia Antiga.

Até as baratas estão lutando por

melhores condições de vida.

 

Do quarto ao lado, há um alto gemido. Xena gira os olhos e agarra um travesseiro para cobrir a cabeça.

 

XENA

Esta noite não. Deus, ela não pode achar

algum outro lugar pra fazer suas travessuras?

 

GABRIELLE

Não que alugue por hora.

 

Xena se senta e bate na parede.

 

XENA

Pare com isso!

 

Gabrielle apenas suspira e entrega uma jaqueta para Xena.

 

GABRIELLE

Vamos. Você é um encontro barato.

Eu lhe pago um jantar até

esta hora acabar.

 

XENA

Fritas?

 

 

Gabrielle ri e veste sua própria jaqueta.

 

GABRIELLE

Claro. Fritas e hambúrguer, com

milkshake de chocolate. A coisa toda.

 

FADE OUT.

 

FIM DO PRÓLOGO

 

PRIMEIRO ATO