Guia de Episódios Prólogo Primeiro Ato Segundo Ato Terceiro Ato Quarto Ato

Produção #V808 - Episódio 08
 


ESCRITO POR
TNovan


DIRIGIDO POR
Denise Byrd


PRODUZIDO POR
C
arol Stephens

IMAGENS DAS CENAS
Judi Mair


TRABALHO DE ARTE
Lucia


GRÁFICO DO TÍTULO DO EPISÓDIO
Linda (Calli)

TRADUZIDO DO INGLÊS POR
C
hris Burle


 

PRÓLOGO

 

FADE IN:

 

CENA EXT. ESTRADA - COMEÇO DA NOITE

 

XENA está segurando a pata esquerda dianteira de ARGO II. Ela está usando uma pequena faca para tirar sujeira e pedras do casco do cavalo.

 

GABRIELLE está segurando as rédeas, acariciando o rosto de Argo e a acalmando enquanto Xena continua a trabalhar.

 

GABRIELLE

(para Argo)

Está tudo bem, garota.

Nós vamos deixar tudo em ordem.

(para Xena)

Qual é o veredicto?

 

XENA

A ferradura está desgastada. Nós precisamos

encontrar um ferreiro. Eu não consigo arrumar

isso sozinha. Ao menos não aqui fora.

Ela precisa de uma ferradura nova

ou seu casco irá partir.

 

 

Gabrielle olha em volta para a floresta atrás delas. É escura, densa, e as altas árvores parecem se assomar sobre elas, como se estivessem observando cada movimento que Xena e Gabrielle fazem. O céu está escuro, com pesadas nuvens se arrastando na distância e lampejos azuis de luz incidindo por trás das árvores.

 

GABRIELLE

(para si mesma)

Era uma noite escura

e tempestuosa...

 

XENA

O quê?

 

GABRIELLE

Nada. Só falando comigo mesma.

Então, onde você acha que nós

vamos encontrar um ferreiro?

 

XENA

Bem, se ficarmos na estrada principal,

podemos chegar em Sikyon em três dias.

Mas se fizermos isso, arriscamos que

Argo fique seriamente incapacitada.

 

GABRIELLE

Opções?

 

XENA

Se cortarmos pela floresta,

podemos estar em Phileious

na metade do tempo, mas...

 

GABRIELLE

(para Argo)

Sempre há um ‘mas’.

 

Argo relincha e balança a cabeça, concordando.

 

XENA

Mas temos que dar a volta na base

da cadeia de montanhas Kyllene.

 

GABRIELLE

Quer dizer, a supostamente 'amaldiçoada'

cadeia de montanhas Kyllene?

 

XENA

Essa mesma.

 

 

GABRIELLE

Ah, que ótimo.

 

Xena dá uma risada da falta de entusiasmo de Gabrielle e guarda sua faca antes de tomar as rédeas de Argo.

 

XENA

Desculpe, querida, mas nós

realmente não temos escolha.

 

GABRIELLE

Eu sei.

 

Gabrielle toma a mão de Xena enquanto elas começam a caminhar saindo da estrada, na direção da floresta.

 

GABRIELLE

(continua)

Então, o que vamos ter para o jantar?

 

XENA

Qualquer coisa que pudermos amedrontar.

 

GABRIELLE

Oh, ha, ha.

 

CORTA PARA:

 

CENA EXT. ACAMPAMENTO - NOITE

 

Há uma adorável fogueira acesa. Xena está consertando uma das tachinhas e Gabrielle está rabiscando algo em um pergaminho. As sobras de um coelho assado ainda estão no espeto. Os colchonetes estão colocados abaixo de uma lona para aparar a chuva que está ameaçando cair. Gabrielle não está escrevendo; está desenhando. Depois de colocar um toque final no seu trabalho artístico ela ergue o olhar para Xena.

 

GABRIELLE

Certo, tente este agora.

 

Xena apenas suspira e seus ombros caem levemente, depois ela sorri e se endireita. Ela respira fundo cuidadosamente, quase como se estivesse estudando Gabrielle, que está diligentemente escondendo o desenho. Xena fecha os olhos e se concentra. Sua cabeça se inclina apenas levemente enquanto suas sobrancelhas lentamente se erguem.

 

XENA

Um coelho.

 

Gabrielle apenas suspira enquanto vira o pergaminho e mostra para Xena o desenho do arco e flecha que ela acabou de completar.

 

GABRIELLE

Isto se parece com um coelho?

 

XENA

Obviamente não. Desculpe, Gabrielle.

Leitura mental não é necessariamente

uma das minhas muitas habilidades.

 

GABRIELLE

Então como você explica que nós

parecemos saber o que a outra está

pensando ou fazendo? O que está me

deixando realmente louca é que às vezes

isso funciona e às vezes não. Eu gostaria

de uma pequena consistência aqui. É por

isso que estou testando essa teoria.

 

 

Xena coloca dentro da mochila a tachinha em que estava trabalhando, depois se levanta e se espreguiça.

 

XENA

É consistente no fato de que

às vezes isso funciona, e

às vezes não funciona.

 

GABRIELLE

Eu sabia que você

ia dizer isso.

 

XENA

(dando risada)

Viu?

 

Gabrielle gira os olhos e coloca o pergaminho de lado enquanto se prepara para ir para a cama. Xena está cuidadosamente se certificando de que a lona está segura nos três lados para protegê-las de qualquer tempestade que possa soprar. Gabrielle se junta a ela e começa a desamarrar suas botas.

 

GABRIELLE

A lenda diz que as montanhas estão

amaldiçoadas, mas a floresta também é

bastante assustadora. Você percebeu

que não há barulhos de animais?

 

XENA

Sim, percebi. Eu na verdade peguei nosso

jantar na fronteira da floresta. Eu não

vi nenhum sinal de qualquer caça

afinal na cobertura das árvores.

Nem excrementos, nem nada.

 

GABRIELLE

Eu acho que é apenas a densidade das

árvores que impede a luz e o vento de viajar

aqui dentro que a torna tão assustadora.

 

Xena se deita de costas no colchonete.

 

XENA

Não, não é.

 

 

Gabrielle se vira e rasteja para cima, ao lado dela, deitando sua cabeça no ombro de Xena.

 

GABRIELLE

Esclareça-me.

 

XENA

São os fantasmas e monstros.

 

GABRIELLE

Oh, que engraçada você.

 

XENA

Obrigada, eu tento.

 

GABRIELLE

Você terá que dormir com

um olho aberto esta noite.

 

XENA

E eu não durmo assim sempre?

 

Gabrielle se aconchega mais perto e Xena puxa uma pesada coberta sobre elas. Levantando a cabeça para olhar para o fogo, ela fica satisfeita de que ele irá queimar por toda a noite. Ela deita de costas e abraça Gabrielle mais juntinho.

 

XENA

(continua)

Boa noite, Gabrielle.

Não deixe as bacantes morderem.

 

DESVANECE PARA:

 

CENA EXT. ACAMPAMENTO - MANHÃ

 

Xena se espreguiça e a primeiríssima coisa que ela percebe é que Gabrielle sumiu. Ela se levanta imediatamente, também percebendo que todos os pertences de sua parceira sumiram também. Ela fica imediatamente de pé.

 

XENA

GABRIELLE!

 

Movendo-se pelo acampamento delas, Xena também descobre que Argo se foi, mas suas tachinhas ainda estão empilhadas perto do abrigo onde as duas dormiram. 

 

XENA

(continua)

GABRIELLE!

 

 

Quando o silêncio mais uma vez encontra seu grito, ela rapidamente começa a reunir sua bagagem. Então ela começa a procurar por quaisquer sinais de sua parceira ou seu cavalo.

 

FADE OUT.

 

FIM DO PRÓLOGO

 

PRIMEIRO ATO